Buscar

Confira 4 medidas de controle ambiental para controle da TB em unidades prisionais

Também conhecidas como medidas de controle de engenharia, essas orientações contribuem para diminuir a transmissão de agentes infecciosos como a tuberculose (TB)


Além das medidas administrativas, as medidas de controle ambiental diminuem as chances de transmissão de agentes infecciosos como a bactéria da tuberculose (tecnicamente chamada de bacilo de Koch).


As medidas de controle ambiental (ou medidas de controle de engenharia) incluem mudanças como: adaptações de mobiliário e dos espaços de atendimento em hospitais, postos de saúde e unidades prisionais. É preciso também considerar a possibilidade de reformas para melhor adequação de espaço, quando possível, e até construção de locais mais adequados. Essas recomendações constam no Manual de Recomendações para o Controle da Tuberculose no Brasil (2019).


A seguir, confira 4 orientações que o Manual traz e que devem ser aplicadas para promover a saúde e a segurança da comunidade carcerária (formada por servidores, pessoas privadas de liberdade, visitantes, voluntários e demais pessoas que circulam no sistema prisional).


1. Escolha de ambientes ventilados para atendimentos

Os espaços de espera e salas de atendimento de sintomáticos respiratórios e pessoas diagnosticadas com tuberculose devem ser ventilados ou, sempre que possível, realizados em áreas externas.

2. Realização de coleta de escaro ao ar livre

É preciso também definir locais adequados para coleta de escarro, preferencialmente áreas externas, sem desconsiderar a privacidade para realização do procedimento. A coleta de escarro nunca deve ser realizada em ambientes fechados de uso compartilhado, como banheiros.


3. Ventilação natural ou mecânica para os espaços de saúde e de permanência de SR

A ventilação (seja natural ou mecânica) deve ser planejada de forma a direcionar o fluxo de ar para áreas externas nos espaços de saúde e de permanência de sintomático respiratório (SR). Quando forem adotadas soluções artificiais de ventilação, é necessário que o espaço físico tenha capacidade de garantir boa qualidade ambiental em situações adversas, como a interrupção do funcionamento dos equipamentos. Exaustores ou ventilação mecânica devem ser posicionados de forma que o ar dos ambientes potencialmente contaminados se dirija para o exterior – não aos demais cômodos da instituição.


4. Reformas e construções de novas unidades prisionais devem ser projetadas considerando a ventilação

As condições e características específicas do sistema prisional exige, assim como demais espaços de atendimento e permanência de sintomáticos respiratórios, que a ventilação das unidades seja fator considerado na construção de novas unidades.


LEIA MAIS: 6 recomendações de saúde e segurança contra a tuberculose no sistema prisional

34 visualizações
splash-amarelo.png

Notícias

logo_TB.png

Conhece alguém com diagnóstico de TB?

Dê apoio e incentive a

continuidade do tratamento.